Resenha: Base Líquida Matte Adversa Makeup

BASE MUITO BOA E MUITO BARATA!

Base baratinha, fácil de achar em São Paulo, promete cobertura construível e acabamento mate.

https://cheiadevicios.com/2018/08/17/resenha-base-liquida-matte-adversa-makeup

ESSE POST FOI ATUALIZADO COM MAIS INFORMAÇÕES EM 05 DE DEZEMBRO DE 2019

Quem me acompanha no Instagram (@thaischeiadevicios) deve ter visto minhas primeiras impressões sobre essa base. Pra quem não tá por lá, olha o resumo:

  • comprei a base na loja VIP Makeup, na 25 de março; custou R$9,20.
  • a cor que eu comprei pra mim foi a 100. Deu muito certo no meu tom de pele.
  • e sim, a Adversa Makeup não testa em animais.

Então, vamos à resenha completa?

Embalagem

A base da Adversa Makeup vem em uma bisnaguinha com cores fofas e delicadas; são 30ml de produto. Uma parte da embalagem é transparente, o que eu amo, porque permite ver a cor da base. A caixa dela também tem uma área vazada, que também é legal pra identificar sua cor. Mas podia muito ter essa cor de forma mais destacada, hein? Achei chatinho de ficar catando minha cor na prateleira da loja.

Cor

Como já comentei, minha cor é a 100. Fiquei feliz que deu super certo! Bases baratinhas não costumam ter a minha cor. E quando têm, a base oxida muito.

*oxidar = a base escurecer/ficar alaranjada depois de seca

A base líquida matte da Adversa não teve esse problema; não oxidou e deu muito bom com todos os pós que eu testei.

Ponto negativo: são apenas seis cores disponíveis. Acho que é compreensível por ser uma marca nova e pequena, mas, infelizmente, nem todo mundo vai encontrar sua cor. Os swatches a seguir são do Blog Fashion MiMi (porque né, eu mal tenho dinheiro pra comprar a minha cor, imagina todas hahahahah).

ATUALIZAÇÃO: A Adversa lançou muitos novos produtos e, o melhor, UM MONTE DE TONS NOVOS! Não consegui achar swatches 100% completos, mas juntei várias imagens pra tentar ilustrar as cores disponíveis.

Cobertura e Durabilidade

A Adversa Makeup promete:

“A base líquida Adversa oferece acabamento matte. Sua formulação permite constituir camadas que intensificam a cobertura.”

Logo no primeiro uso, achei a base muito fácil e prática de espalhar. Usei com pincel língua de gato, com pincel tradicional de base e até com a mão e consegui deixar o acabamento uniforme sem nenhum problema. Não achei que a base seca 100%. Em mim, ela não ficou matte e eu senti necessidade de selar com o pó todas as vezes que usei.

Ao meu ver, a cobertura da base da Adversa é leve. No máximo, de leve à média. Dá sim pra construir camadas, mas não senti que a cobertura chega a ficar muito intensa. ATUALIZAÇÃO 2019: Depois de usar muitas bases de cobertura leve, hoje em dia considero a Base Líquida Vegana da Adversa Makeup como uma cobertura média!) Usando com duas camadas, achei a cobertura ideal pra uso no dia a dia – pra usar todo dia, gosto de uma cobertura mais leve… só o suficiente pra amenizar a acne e uniformizar o tom da pele.

A durabilidade dela, na minha pele oleosa, foi bem limitada. Depois de umas quatro horas, a cobertura já começa a diminuir e o sebo da pele começa a aparecer. Se você tem uma pele oleosa e quer algo que dure o dia todo, umas 8h e tal, essa base pode não ser a ideal pra você.

Pessoalmente, achei uma base muito legal. Usei por mais de 15 dias seguidos (todo dia!) e não tive reação nenhuma na pele. Como ela não tem componentes de tratamento nem fator de proteção solar, não a considero uma base IDEAL.

Porém, por menos de dez reais, achei digníssima. Com certeza compraria de novo!

xoxo

Tratamento da minha pele com acne Parte I

Adolescência, hormônios e acne

A acne é extremamente comum. Ainda assim, ainda é um assunto que ninguém gosta de falar abertamente. Sim, tenho acne. Sim, isso são espinhas.

https://cheiadevicios.com/2018/08/09/tratamento-da-minha-pele-com-acne-parte-i

Você pode ter se perguntado… mas gente, como que a Thais tá aí dando conselhos sobre cuidados com a pele,. beleza, estética e maquiagem se ela não tem uma pele de bumbum de neném? Se ela tem espinhas, como pode dar dicas úteis?

Por isso, resolvi fazer uma série de posts sobre toda a minha história com a acne. Começando, claro, pelo começo.

Acne, pele oleosa e poros muito dilatados são uma herança de família. Alguns poucos anos depois de eu menstruar pela primeira vez, comecei a ter problemas com espinhas. Começaram com alguns pontos inflamados, muuuuitos cravos e pele mega hiper ultra oleosa.

Eu devia ter uns 12 anos na época. E, na real, eu não tava nem aí pra minha aparência. Eu queria andar de bicicleta, brincar de patins, fazer penteados nas minhas barbies, jogar videogames e jogos de tabuleiros. Até uns 14 anos, essa era minha realidade (e não me arrependo nenhum pouco de ter vivido tanto minha infância).

Então, quando minha mãe apareceu com vários sabonetes e tônicos e cremes pra controlar minha acne, eu não dei atenção e quase sempre esquecia de usar. Foi assim até uns 13 anos, quando minha acne começou a piorar MUITO. Entre meus 14-15 anos, fiz muita limpeza de pele, fui em muitas consultas com dermatologistas, testei uma penca de cremes… mas nada funcionava. Quando eu tava ali chegando nos 16 anos, minha ginecologista conversou comigo sobre eu ter síndrome do ovário policístico.

Ela explicou que essa síndrome era diagnosticada através de exames de sangue, de imagem e de sintomas específicos. Também disse que, com o tratamento, com certeza minhas espinhas iriam melhorar. Então. lá vai eu começar a tomar anticoncepcional. E, olha, foi MILAGROSO.

Com pouquíssimo tempo de tratamento, minha pele era outra. Não tinha manchas, quase não tinha poros aparentes, a oleosidade quase não existia também… e meu cabelo, meu deus, as pessoas elogiavam meu cabelo! Tava tudo indo ás ,mil maravilhas. Até que eu fui parar no hospital. Foi quase um ano de idas á emergência, consultas, exames, médicos de diversas áreas… depois de muito rodar por aí (inclusive consultando médicos de outros estados), diagnosticaram que eu tinha algo chamado Angioedema Idiopático associado ao uso de estrógenos. Tentando simplificar: era como se eu tivesse alergia à estrógeno – o hormônio feminino que tem em quase todos os anticoncepcionais e que deixa a gente tão lindinha, com pele e cabelos perfeitos.

Ou seja, eu não posso tratar minha questão hormonal com o principal remédio que atenua os sintomas (excesso de pelos, acne, dismenorreia, etc etc. Já tomei roacutan (se você sofre com espinhas, há grandes chances de você ter ouvido falar dele, mas isso é assunto pra outro post), fui nos dermatologistas mais caros de São Paulo e a questão é: essa é minha pele. Ela sempre será acneica, sempre terá poros dilatados, sempre terei pelos em excesso no rosto.

Posso ter a pele perfeita sem tratar minha questão hormonal? Não. Mas posso atenuar de diversas formas! Todo o meu “regime” de cuidados com a pele é o que impede das espinhas tomarem 100% conta do meu rosto. Porque o negócio da espinha não é só a aparência: dói! E dói pra caramba! Sem contar que em casos que a inflamação tá exacerbada, pode rolar até de pegar infecções.

 Tudo que eu uso e recomendo aqui são produtos que eu testei por um tempo, não me deram alergia, não pioraram minha acne (no caso de maquiagens) e me ajudaram a manter a pele mais livre de espinhas!

No próximo post sobre minha acne, vou contar sobre meu tratamento com o Roacutan! Fiquem ligados e me acompanhem lá no instagram (@thaischeiadevicios).

xoxo