Resenha: Base Fenty Beauty (a base da Rihanna!)

Será que a base da Rihanna é tudo isso mesmo que eu esperava?

A ProFiltr tinha me chamado atenção pela variedade de tons e pela promessa de aspecto natural.

https://cheiadevicios.com/2018/11/06/resenha-base-fenty-beauty-a-base-da-rihanna

Os produtos da Fenty Beauty – a marca da deusa Rihanna – eram uns dos meus maiores desejos de consumo. A proposta da base com um zilhão de tons, cobertura construível e acabamento soft matte (entre seca e hidratante) me atraiu desde o primeiro momento. Aproveitei a viagem de um amigo pra Europa e fiz minha encomendinha.

O que eu comprei?

  • Base (Pro Filt’r Soft Matte Longwear Foundation) na cor 100
  • Kit Bomb Baby (mini lip gloss + mini Killawatt Highlighter cor “Hu$tla Baby“)

E como foi minha experiência com essa base famosa?

Minhas primeiras impressões:

  • Amei a embalagem. Resistente, com vidro que mostra a cor da base e um pump que funciona sem dor de cabeça.
  • Ela tem uma textura bem fluida, daquelas que escorrem quando a gente coloca na mão. Isso foi indiferente pra mim.
  • A cor 100 foi a certinha pra mim! Mas queria ter tido oportunidade de testar outras cores, só pra ter uma noção mesmo.
  • Ela seca muuuuito rápido. Não é uma base que você possa colocar no rosto, enrolar e só depois espalhar.

A primeira vez que usei, minha pele estava mega hidratada e eu estava usando o primer Lágrimas de Unicórnio da Cat Make (tem sido meu preferido da vida, ainda vai sair post aqui… mas já tem resenha lá no insta!). Fiquei absurdamente impressionada com o resultado: a cobertura era média, mas o aspecto na pele era lindo e natural. Mas desde a primeira aplicação, achei ela super matte! Mesmo com minha pele oleosa, não precisei selar com pó.

Uns dias depois, fui testar de novo e não tive a mesma experiência. :( Minha pele estava com umas áreas irritadas e ressecadas… então o acabamento foi um desastre. Onde a pele está ressecada, ela não “gruda” de jeito nenhum! Mesmo que eu tentasse criar camadas, aplicar com o dedo, com a esponjinha molhada… nada pegava. Se a região abaixo dos olhos também não está bem preparada ou hidratada, pode ser que essa base realce linhas de expressão e dê uma envelhecida.

No geral, quando minha pele tá oleosa ou hidratada e com sebo natural, a base é incrível. Ela aguenta várias horas se mantendo bonita e fica muito leve na pele (você até esquece que tá usando alguma maquiagem). Vi muuuita gente reclamando sobre oxidação: várias resenhas falam sobre ela escurecer depois de seca. Não sei se é porque a minha é a mais clara, mas ela não oxida quase nada. Não acho que essa base dá pra você comprar sem testar a cor primeiro.

Infelizmente, ela não vende no Brasil. E não é nem um pouco acessível. A minha custou 34 euros! Não me arrependo da compra porque era muito desejo de consumo, mas não compraria de novo (a não ser que eu ficasse muito rica, ganhasse na loteria ou situação semelhante hahahah).

Se você tem a pele mais pro lado seco da força, não indico! Vou colocar aqui umas imagens de como ela ficou nos meus dias de pele seca (prints dos meus stories no instagram).

Ah! E pra não esquecer!

  • A Fenty Beauty é uma marca cruelty-free (sem testes em animais).
  • A Base Pro Filt’r Soft Matte Longwear Foundation é liberada pra veganos! (não tem nenhum ingrediente de origem animal.)

Me sigam lá no insta (@thaischeiadevicios) pra ver resenhas e novidades sempre!

 

xoxo

 

Double Cleasing: A limpeza dupla para tirar a maquiagem

Double Cleanse, Double Cleanse ou Limpeza Dupla Coreana são sinônimos para a limpeza de pele mais usada pelas asiáticas.

É apenas uma pequena parte da rotina delas de 10 passos para cuidar da pele

https://cheiadevicios.com/2018/10/16/double-cleasing-a-limpeza-dupla-para-tirar-a-maquiagem

Pessoalmente, não tenho assim tanta paciência (nem dinheiro) para manter uma rotina de skincare com 10 passos (e 10 produtos!) diferentes. Por conta disso, nunca entrei muito na onda da K-Beauty. Mas comecei a testar a double cleansing e GOSTEI DEMAIS.

Essa técnica consiste na mistura de dois produtos com texturas diferentes para fazer uma limpeza dupla, mais profunda, e garantir que todos os resquícios de maquiagem, impurezas e poluição sejam removidos.

Primeiro Passo: ÓLEO DE LIMPEZA

Ainda com o rosto seco, você aplica um óleo demaquilante para derreter toda a camada de sujeira e maquiagem acumulada. Basta massagear o produto na pele, em movimentos circulares, para pegar todas as impurezas. Como esse método de limpeza dupla têm ficado mais popular por aqui, não é difícil encontrar óleos específicos para limpeza no mercado.

Precisa ser um óleo específico? Posso usar óleo de coco para fazer double cleanse?

O ideal é que você utilize óleos próprios, pois ao entrarem em contato com a água, eles emulsionam e garantem essa limpeza sem muito trabalho. O óleo de coco pode ser utilizado sim, mas é importante tirar toooodos os resquícios dele (é super comedogênico, ou seja, pode causar espinhas).

A pele fica oleosa com double cleasing? Quem tem pele oleosa pode fazer?

A pele NÃO fica oleosa e essa limpeza dá certo em todos os tipos de pele. O negócio é utilizar os produtos adequados. E, CLARO, estar sempre em acompanhamento com profissional qualificado (principalmente se você tem acne ou outros problemas de pele).

O óleo que eu uso é o Óleo Demaquilante Camomila da The Body Shop. Acho ele incrível, mas como é o primeiro e único que usei na vida, não sei dizer se é o melhor do mercado. Gosto muito porque tira até a máscara de cílios facilmente, tem um cheiro bem suave e não irrita nada a pele.

Segundo Passo: LIMPEZA COM SABONETE

Depois de massagear o óleo na pele, você vem com o segundo produto: um sabonete facial para fazer a segunda limpeza. Sabonetes em gel são ótimos para tirar todo o óleo, especialmente se você tem aquela pele mega oleosa. Mas você também pode utilizar seu sabonete preferido!

Só aconselho não usar nenhum sabonete muito agressivo, com muitas substâncias ativas (ex: antiacne), para evitar reações na pele.

Tenho utilizado a Espuma de Limpeza de Rosto Calêndula e Rosas da Vyvedas. É uma espuma bem leve, especial para peles sensíveis, que dá muito certo para mim.

Lave o rosto normalmente, com água morna (nunca quente!) e seque em uma toalha macia e limpa. Depois é só seguir com sua rotina normal.

Tirar maquiagem com o auxílio do óleo demaquilante + sabonete facial é muito prático. Principalmente se você usa maquiagens à prova d’água. É muito mais rápido e eficiente do que usar lencinhos demaquilantes, toalha de limpeza, água micelar e etc. Sem contar que o atrito no rosto é mínimo… ótimo para evitar irritações e piora de processos inflamatórios.

Uso essa técnica apenas à noite (no fim do dia), pois sinto que é quando é necessária uma limpeza mais intensa para tirar as maquiagens e etc acumuladas ao longo do dia.

Para acompanhar as novidades de todo dia, me segue lá no insta! @thaischeiadevicios

 

xoxo

Tratamento da minha pele com acne Parte I

Adolescência, hormônios e acne

A acne é extremamente comum. Ainda assim, ainda é um assunto que ninguém gosta de falar abertamente. Sim, tenho acne. Sim, isso são espinhas.

https://cheiadevicios.com/2018/08/09/tratamento-da-minha-pele-com-acne-parte-i

Você pode ter se perguntado… mas gente, como que a Thais tá aí dando conselhos sobre cuidados com a pele,. beleza, estética e maquiagem se ela não tem uma pele de bumbum de neném? Se ela tem espinhas, como pode dar dicas úteis?

Por isso, resolvi fazer uma série de posts sobre toda a minha história com a acne. Começando, claro, pelo começo.

Acne, pele oleosa e poros muito dilatados são uma herança de família. Alguns poucos anos depois de eu menstruar pela primeira vez, comecei a ter problemas com espinhas. Começaram com alguns pontos inflamados, muuuuitos cravos e pele mega hiper ultra oleosa.

Eu devia ter uns 12 anos na época. E, na real, eu não tava nem aí pra minha aparência. Eu queria andar de bicicleta, brincar de patins, fazer penteados nas minhas barbies, jogar videogames e jogos de tabuleiros. Até uns 14 anos, essa era minha realidade (e não me arrependo nenhum pouco de ter vivido tanto minha infância).

Então, quando minha mãe apareceu com vários sabonetes e tônicos e cremes pra controlar minha acne, eu não dei atenção e quase sempre esquecia de usar. Foi assim até uns 13 anos, quando minha acne começou a piorar MUITO. Entre meus 14-15 anos, fiz muita limpeza de pele, fui em muitas consultas com dermatologistas, testei uma penca de cremes… mas nada funcionava. Quando eu tava ali chegando nos 16 anos, minha ginecologista conversou comigo sobre eu ter síndrome do ovário policístico.

Ela explicou que essa síndrome era diagnosticada através de exames de sangue, de imagem e de sintomas específicos. Também disse que, com o tratamento, com certeza minhas espinhas iriam melhorar. Então. lá vai eu começar a tomar anticoncepcional. E, olha, foi MILAGROSO.

Com pouquíssimo tempo de tratamento, minha pele era outra. Não tinha manchas, quase não tinha poros aparentes, a oleosidade quase não existia também… e meu cabelo, meu deus, as pessoas elogiavam meu cabelo! Tava tudo indo ás ,mil maravilhas. Até que eu fui parar no hospital. Foi quase um ano de idas á emergência, consultas, exames, médicos de diversas áreas… depois de muito rodar por aí (inclusive consultando médicos de outros estados), diagnosticaram que eu tinha algo chamado Angioedema Idiopático associado ao uso de estrógenos. Tentando simplificar: era como se eu tivesse alergia à estrógeno – o hormônio feminino que tem em quase todos os anticoncepcionais e que deixa a gente tão lindinha, com pele e cabelos perfeitos.

Ou seja, eu não posso tratar minha questão hormonal com o principal remédio que atenua os sintomas (excesso de pelos, acne, dismenorreia, etc etc. Já tomei roacutan (se você sofre com espinhas, há grandes chances de você ter ouvido falar dele, mas isso é assunto pra outro post), fui nos dermatologistas mais caros de São Paulo e a questão é: essa é minha pele. Ela sempre será acneica, sempre terá poros dilatados, sempre terei pelos em excesso no rosto.

Posso ter a pele perfeita sem tratar minha questão hormonal? Não. Mas posso atenuar de diversas formas! Todo o meu “regime” de cuidados com a pele é o que impede das espinhas tomarem 100% conta do meu rosto. Porque o negócio da espinha não é só a aparência: dói! E dói pra caramba! Sem contar que em casos que a inflamação tá exacerbada, pode rolar até de pegar infecções.

 Tudo que eu uso e recomendo aqui são produtos que eu testei por um tempo, não me deram alergia, não pioraram minha acne (no caso de maquiagens) e me ajudaram a manter a pele mais livre de espinhas!

No próximo post sobre minha acne, vou contar sobre meu tratamento com o Roacutan! Fiquem ligados e me acompanhem lá no instagram (@thaischeiadevicios).

xoxo

Tratamento da pele – Cosméticos X Dermocosméticos

Cosméticos X Dermocosméticos

Cosméticos e dermocosméticos são a mesma coisa? Qual a diferença entre cosméticos e dermocosméticos?  Eu mesma fiz essas perguntas quando descobri que existiam essas duas categorias de produtos.

https://cheiadevicios.com/2018/08/03/tratamento-da-pele-cosmeticos-x-dermocosmeticos

Não é apenas uma diferença de nomenclatura; cosméticos e dermocosméticos atuam em diferentes camadas da pele e de maneiras muito distintas.  

O que são cosméticos? 

São produtos que agem na camada mais externa da pele. Podem limpar, hidratar, perfumar, tonificar, etc. Mas seus efeitos são todos superficiais. Os componentes dos cosméticos são incapazes de penetrar mais profundamente na pele e, por isso, não TRATAM condições dermatológicas. 

O que são dermocosméticos? 

Os dermocosméticos podem ser classificados entre os fármacos (basicamente, os remédios) e os cosméticos. Obrigatoriamente, os componentes dos dermocosméticos devem ter sua eficácia comprovada cientificamente. São formulados com princípios ativos farmacológicos que devem passar por testes clínicos de poder terapêutico e segurança. Seu uso deve ser sempre acompanhado de indicação e orientação médica especializada. 

Enquanto os cosméticos alteram a aparência da pele, os dermocosméticos alteram sua fisiologia. A ação dos cosméticos é, geralmente, imediata; a dos dermocosméticos é mais demorada e prolongada. Outra grande diferença: os dermocosméticos quase nunca levam corantes, fragrâncias e conservantes em sua formulação. Esses componentes são os maiores responsáveis por reações alérgicas. 

Tudo isso faz com que os dermocosméticos tenham um preço bem mais salgado que os cosméticos tradicionais.  

Grandes empresas como Bioderma, Skinceuticals, Avene, Roc e Vichy produzem dermocosméticos. Todas essas empresas fazem testes em animais. Algumas podem não conduzir testes aqui no Brasil, mas, por serem vendidas na China, testam seus produtos por lá.  

A única marca de dermocosméticos que eu conheço e que vende no Brasil é a ADCOS. Os preços da ADCOS são muito semelhantes ao dessas outras marcas que eu citei. 

Esses preços são, sim, altos. Ao meu ver, os dermocosméticos valem muito a pena se você tem problemas dermatológicos mais sérios. Acne severa, escaras, queimaduras, etc são situações graves e precisam de tratamento médico com compostos que, mesmo aplicados topicamente, conseguem agir nas camadas mais internas da pele. 

Hoje em dia, com meu grau de acne sendo muito moderado, não vejo necessidade de utilizar dermocosméticos. Por isso, não tenho testado nenhum desses produtos recentemente. Há muito tempo, usei o fluido secativo de acne da ADCOS (custa R$112) e sua ação era realmente muito boa. Se eu fosse bem ryca, com certeza usaria pra complementar meu tratamento. 

E, como sempre, faço questão de salientar: esses produtos todos podem ser vendidos sem necessidade de receita médica, mas é absurdamente importante que todo tratamento dermatológico seja conduzido e orientado por um profissional. 

Espero que esse post tenha sido capaz de esclarecer (pelo menos superficialmente) o que separa cosméticos e dermocosméticos. Ficou dúvida? Quer dica de fonte de estudo sobre o assunto? Pode deixar comentário, fazer pergunta no instagram – @thaischeiadevicios –, mandar sinal de fumaça, ou me achar por qualquer outra forma de comunicação. Tô aqui pra ajudar! 

xoxo