Resenha: Base líquida matte HD 24 horas Zanphy

Atéé que enfim tô chegando com uma resenha novíssima!

Hoje vou falar da base líquida matte HD 24 horas da Zanphy. Comprei a minha na loja Maquiadoro por R$25,90 (30ml). Achei ela meio cara (comparada com outras marcas dessas baratex), mas tava bem curiosa pra saber como ficava na pele; vi também que o o preço em várias outras lojas era mais barato, só que nenhuma delas tinha a cor 0.1 Porcelana Clara (a mais clara).

A descrição da marca:

Ideal para o uso diário a Base Líquida Matte HD 24 HORAS – Zanphy promete excelente cobertura e duração de até 24 horas. Textura cremosa, tem secagem rápida, cobertura média e natural, para peles normais a seca dispensa o retoque do pó compacto, pois já oferece um toque aveludado impecável. Versão melhorada da Base Matte HD Zanphy, proporciona efeito high definition. São seis cores para você escolher e não errar no tom, é importante olhar a foto com a aplicação das cores com atenção, pois os nomes podem confundir um pouco.

Bom, começando pela embalagem: funcional, fecha bem e tem uma área transparente que mostra a cor do produto dentro do plástico. Curti. A seguir, o cheiro. A base tem um cheiro forte e iguaaalzinho a hipogloss. Nunca gostei do cheiro de hipogloss, então já me entristeci aí.

 

A textura é cremosa e bem densa, parecida com as de outras bases matte de alta cobertura (como a da Tracta e a da Ruby Rose). Mesmo com o nome “porcelana clara”, achei a cor da base muito escura. De cara, percebi que não ia dar certo. E ela oxida MUITO! Depois de seca, ela fica muito mais escura e amarelada.

 

É uma base de toque seco, acabamento matte e alta cobertura. Não sinto necessidade nenhuma de selar a pele com pó. Não é uma base difícil de espalhar, mas por ser muito seca, requer um cuidado pra não deixar a pele marcada ou com linhas finas realçadas. A secagem dela é muito rápida. Como já disse, ela oxida, então a medida que vai secando, o rosto muda totalmente de cor.

Mesmo tendo comprado a cor mais clara, não rolou pra mim. Pra conseguir usar, misturo com o corretivo branco da Bruna Tavares. A make das fotos a seguir foi feita exatamente com essa mistura. As sombras usada nesse look são da paleta Be Fantasy, da Ruby Rose.

 

A durabilidade passa longe das 24 horas descritas pela Zanphy. No máximo 3-4h depois da aplicação, a base começa a sair sozinha. Qualquer suor, líquido ou água mancha total a pele e tira a base. Não aconselho jamais a usar em dias quentes. As fotos abaixo foram tiradas depois de cinco horas usando a base em casa. (Fotos feitas à noite, por isso a qualidade ruim).

 

Da época da minha compra pra cá, a Zanphy relançou as bases, com uma embalagem nova e umas mudanças nos tons. Agora, existe um tom abaixo da 0.1 e são oito cores no total. Não tenho nenhuma vontade de testar os tons novos. Mesmo que a 00 seja mais clara do que a base que eu tenho, tenho a sensação que continua sendo escura. Também não curti o fato de ela manchar muito fácil. Ando de ônibus, metrô e a pé… não dá pra ficar usando uma base que mancha com o menor sinal de suor (e duvido que isso tenha mudado também).

Enfim, não acho a base líquida matte HD da Zanphy um bom investimento de forma nenhuma. Vou usar a que eu comprei pra treinar maquiagem e etc, só pra não perder o dinheiro.

Ah, e pra quem quiser saber, segue a composição:

Cetearyl Alcohol, 2-Bromo-2-Nitropropano-1 3-Diol, Stearic Acid, BHT, Cellulose Gum, Lanolin, Glyceryl Stearate, Propylparaben, Propylene Glycol, Polybutene, Paraffinum Liquidum, Magnesium, Aluminum Silicate, Methylisothiazolinone, Aqua, Aminomethyl Propanol, Dmdm Hydantoin, Manihot Utilissima Starch, Hdi/Trimethylol Hexyllactone Crosspolymer, Sílica, Dimethicone, Cyclopentasiloxane, Parfum, Linalool. Pode Conter: CI 77491, CI 77492, CI 77499, CI 77891.

Por hoje, é só! Se alguém tiver testado a base nova da Zanphy, me conta sobreee!

xoxo

Resenha: Corretivo Líquido Zanphy

Não lembro se já comentei muito aqui, mas eu estou SEMPRE buscando bases e corretivos no meu tom de pele (aquela coisa bem White People Problems). Aproveito pra falar que, apesar de ter dificuldade de achar produtos que sejam pra minha pele branquíssima, sei que negras e negros que usam maquiagem têm esse problema elevado a milésima potência.

As marcas insistem em criar bases, pós e corretivos em uma gama de cores limitadíssima (tem empresa que só trabalha com umas 3-4 cores).  De vez em quando, aparece alguém dizendo ser super inclusivo e inovador (cof cof, BT, cof cof) e cria uns tons que deixam a pele negra esbranquiçada ou acinzentada (e ainda tem coragem de dizer que não vale a pena criar coisa pra pele negra, porque não vende…….. Negra Rosa e Fenty Beauty estão aí pra provar o contrário); aí, no fim do dia, a realidade é que o mercado oferece milhões de opções pra nós brancas e quase nada pras peles negras.

Encontro várias coisas que são bem próximas da minha cor em marcas nacionais e internacionais, então não posso jamais reclamar. Tenho uma certa dificuldade é em relação a corretivos; achar um corretivo bom e um tom abaixo da minha cor pra usar pra iluminar é essa tarefa complicada que eu comecei o texto falando.

Pesquisando nesse país chamado Internet, li sobre um corretivo líquido da Zanphy que diziam ser super claro.  Muito iludida, fui lá no site da Maquiadoro e comprei o corretivo na cor 01 – claríssimo. Ele realmente é claro, mas só enquanto aplica. Eu fiquei impactada com oxidação desse negócio: é absurda!

Vamos à descrição do produto pela marca:

O corretivo líquido é desenvolvido com produtos naturais que não agridem a pele e apresenta formulação com cobertura excelente de imperfeições da pele, como rugas e manchas.

  • Aplicador que facilita a cobertura de áreas direcionadas;
  • Secagem rápida;
  • Maior aderência à pele.

Composição: Cetearyl Alcohol, 2-Bromo-2-Nitropropane-1,3-Diol, Stearic Acid Bht, Cellulose Gum, Lanolina, Glyceryl Stearate, Propylparaben, Propylene Glycol, Polybutene, Paraffinum Liquidum, Magnesium Aluminium Sulfate, Methylchloroisothiazolinone, Methylisothiazolinone, Aminomethyl Propanol, Dmdm Hydantoin, Aqua, Manihot Utilíssima Starch, Propylene Glycol, Boron Nitride, Parfum, Benzyl Salicylate, Coumarin, D-Limonene, Gerantol, Linalool.

O que eu achei:

É um corretivo líquido mate, bem seco. Uma chatice pra espalhar. Tentei usar pra disfarçar espinha, pra cobrir olheira e como base pra sombra… não funcionou direito de nenhuma forma. Só consigo usar pra disfarces muito pontuais, cobrir uma acne aqui outra ali e sem espalhar/esfumar. Pra espalhar, testei pincel de corretivo, esponjinha umedecida e os dedos e sempre ficou craquelando e saindo.

Preço até aceitável (custou R$21,90 na Maquiadoro), cobertura mediana, textura ok… mas tudo inútil já que a aplicação é ruinzinha que só. Fica mais inútil ainda depois de algumas horas de uso. Mesmo tendo se mantido mate, começou a abrir completamente no meu rosto. Vou deixar aqui uma foto que postei nos meus stories.

Enfim, um produto que não deu certo em mim de maneira nenhuma. :\ Se alguém aí usar esse corretivo e conseguir um resultado legal, me avisa! Queria saber se dei azar ou é assim pra maioria!

Durante o mês de julho, tem texto novo TODO DIA! Vamos aprofundar em cosméticos cruelty free, veganos e marcas que não testam em animais.

Segue lá no Instagram também (@blogcheiadevicios) pra não perder nada!

xoxo

 

Resenha: Primer Facial Studio Perfect Ruby Rose

Desde que uma dermatologista me falou sobre os danos de aplicar a maquiagem direto no rosto, não consigo passar nem uma base ou corretivo sem primeiro preparar a pele com hidratante/primer. Por usar primer todos os dias, acabo conseguindo testar uma variedade grande deles. Hoje, vou falar aqui do primer facial Studio Perfect da Ruby Rose.

A descrição desse produto no site da RR é a seguinte:

“Com o Primer Facial 8086 da Ruby Rose, você terá uma maquiagem perfeita por mais tempo!  O Primer Facial tem um aspecto em gel que suaviza a pele e cobre todos os poros deixando a pele macia e aveludada!”

A embalagem é básica, mas cumpre o propósito de manter o produto preservado. As inscrições nela dizem: “Photo-loving primer. Definição perfeita. Suaviza as imperfeições 100%.”

 

Esse é um primer com textura bem siliconada. Em mim, ele não secou 100%. Senti que deu uma LEVE maciez pra pele, sem de fato disfarçar totalmente os poros. Testei de dia, de noite, em dias mais quentes e em dias mais frios. Não notei mudança nessas diferentes situações. Pra quem é alérgica ou se incomoda com cheiros fortes: ele não tem fragrância nenhuma.

Testei, primeiramente, com as bases fluídas da Quem Disse, Berenice? e da Vult. O resultado com elas foi bem satisfatório! Deu uma uniformizada no tom da pele, ajudou a base a ficar no lugar por um pouco mais de tempo e não craquelou. Pro dia a dia, esse é o resultado básico que eu espero de um primer. O que eu não curti muito: ele não rende tanto quanto vários outros primers que eu já testei. Preciso sempre pegar um pouco mais de produto do que estou acostumada pra conseguir cobrir o rosto todo.

Quando testei com bases mais secas, como a base da própria Ruby Rose e a de alta cobertura da Tracta, o negócio desandou total. Na hora de espalhar a base, mesmo eu indo com toda delicadeza do mundo, o primer começava a esfarelar e sair. A mesma coisa aconteceu quando eu o utilizei como primer para olhos; a sombra esfarelou totalmente. Fiz umas fotos na mão pra mostrar:

 

Na imagem abaixo, no lado esquerdo estou sem primer e no direito com; quase não há diferença.

 

O rendimento e o efeito dele foram bem abaixo do que eu esperava. Não fez mal a minha pele e se deu bem com os produtos que eu uso diariamente, então continuarei usando até acabar. No site da marca, o primer facial Studio Perfect custa R$16,90 (embalagem com 25ml). É um preço amigável, mas não acho um bom investimento. Apesar de não conhecer outros primers bons com esse mesmo preço, acredito que vale mais a pena juntar mais um pouquinho de dinheiro e adquirir um produto mais eficiente.

Por hoje é só!

xoxo

Base vegana e cruelty free: Dalla Makeup ATUALIZADO COM INFORMAÇÕES CONTRA A MARCA

Vou editar essa resenha com um trecho de um post que explica por que a Dalla Makeup não deve ser utilizada por quem busca cosméticos veganos ou cruelty free. (Para ler o post na íntegra, basta clicar aqui.)

Depois de comprar base, pó, top coat, sombra líquida e mais mil coisas da Dalla Makeup, me deparei com alguns artigos na internet sobre a marca. Especialmente, sobre a marca se recusar a prover informações sobre a origem e fabricação de seus produtos.

A Dalla Makeup faz publicidade afirmando ser cruelty free e que sua base é vegana. Mas já chegou a ameaçar de processo consumidores veganos que questionaram algumas respostas da marca. Li sobre isso pela primeira vez mês passado, no blog da Ari Vegan (www.arivegan.com).

“A Dalla Makeup não me respondeu se realizam testes em animais ou não (ou se terceirizam os testes, ou se os fornecedores testam), não me responderam se os ingredientes eram de origem vegetal, sintética ou animal, E NÃO TEM NADA NO RÓTULO como mostrado nos prints, diferente do que a marca diz.

A marca me bloqueou em seu Instagram, e apagou DEZENAS de comentários de veganos, e bloqueou outros veganos buscando informações em sua fanpage no Facebook. 

E para finalizar, a dona (??) da marca ameaçou me PROCESSAR por atacar a marca. Alguém me responde: Desde quando exercer seus direitos como CONSUMIDOR é atacar? Desde quando buscar informações sobre um produto e não obter resposta é atacar?”

Esse trecho é de um post super explicativo, munido de fontes e prints. Pra acessar, clica aqui.

Link do post daqui do blog completo: https://cheiadevicios.com/2018/07/17/a-dalla-makeup-e-vegana-a-dalla-makeup-e-cruelty-free

Uma base vegana, não testada em animais, nacional e barata; além disso, ainda promete ser de alta cobertura, oil free e matte. Esse combo de características me deixou super curiosa pra testar a base desde que eu a vi no instagram pela primeira vez (instagram é onde eu fico a maior parte do tempo, então me segue lá! @blogcheiadevicios). Recebi a minha na quarta, e tenho usado direto desde então. Tenho muita coisa pra falar sobre essa base, já que a ansiedade pra experimentar tava grande.

Por enquanto, a Dalla Makeup só fabrica seis tons para essa base (do 01 ao 06, do mais claro pra o mais escuro). Tô muito na esperança que, a medida que ela ganha espaço no mercado, a marca se atente pra criar mais cores. Minha cor é a 01, a mais clara.

A embalagem vem com 30g de produto e é uma fofura. As florzinhas e as cores verde e rosa me passaram muito uma vibe “natureza”, “natural”. Amei que o corpo da bisnaga tem uma parte transparente, onde você consegue ver a cor da base sem nenhuma dificuldade. Outro ponto que amei foi a fragrância: é um cheirinho agradável, não muito forte, diferente do aroma de qualquer outra base que já experimentei.

A consistência é cremosa; não é líquida demais nem espessa demais. Mesmo com uma consistência legal, não achei a base fácil de espalhar. Tentei com uma esponjinha (da luisance, que veio em um kit de contorno e iluminador), com pincel de base de topo reto, com pincel língua de gato e com as mãos. Com as mãos foi a forma mais fácil de espalhar uniformemente. Senti que aplicar com a mão (ou pincel) e dar um acabamento leve com a esponja foi o que mais deu certo.

Quanto a cobertura, não achei que cumpriu a promessa de cobrir muito. Não a considero alta cobertura. Diria que é média. Não consegui construir camadas de forma legal, então não aconselharia tentar fazer um rebocão. Pelo menos na minha pele, com acne e mega hiper oleosa, foi essa a impressão. Gostei mais dela sendo média cobertura mesmo. A sensação da base no rosto é super confortável, ideal pra quem precisa de um pouco mais de cobertura, mas não gosta daquela make pesada no dia a dia.

Assim que apliquei, adorei o resultado. Minha pele ficou mais uniformizada, sem as espinhas aparecendo e com um toque macio. Também rolou um glow natural, do jeito que eu mais curto: com cara de pele saudável e I woke up like this. Usei pela primeira vez em pouca quantidade e sem preparar ou selar a pele. Estava usando só a base mesmo, porque queria ver bem como ela iria ficar com o passar das horas. As próximas vezes, selei com pó translúcido. Curti também o resultado, mas acho que, pra quem tem pele seca, pode ficar meio seco demais.

Aí vem onde a base da Dalla Makeup decepciona: a duração dela não foi boa em mim. Como eu uso óculos, é comum que bases mais leves saiam com facilidade na ponte do nariz (pelo suor, oleosidade e atrito do óculos), mas essa base saiu aos montes e muito rápido. Em umas três horas, já não tinha mais produto no nariz. A lateral do nariz, logo abaixo do olho e a pálpebra também ficaram sem produto. Vale um adendo que essas são as áreas do meu rosto que mais são oleosas. Vou colocar aqui uma foto que dá pra ver exatamente onde rolou esse desgaste. Ao vivo, não dá pra ver tão fácil as áreas sem base. Só a ponte do nariz que fica um pouco mais gritante. Em foto, porém, achei que ficou visível pra caramba.

No geral, achei a base da Dalla Makeup com um custo-benefício muito justo. Na Maquiadoro, onde eu comprei a minha, ela é vendida por R$15,90. No Atacadão das Maquiagens, o preço é um pouco menor (R$12,90), mas o frete pra cá ficava mais caro. É uma base que com certeza eu compraria novamente. Meu consumo maior de base é exatamente no dia a dia, e eu sempre prefiro produtos que não deixem uma sensação pesada na pele. Se ela não tivesse saído no nariz, seria minha base preferida entre as que já usei!

Quem já usou, me conta o que vocês acharam!

xoxo