Resenha: Primer Facial Studio Perfect Ruby Rose

Desde que uma dermatologista me falou sobre os danos de aplicar a maquiagem direto no rosto, não consigo passar nem uma base ou corretivo sem primeiro preparar a pele com hidratante/primer. Por usar primer todos os dias, acabo conseguindo testar uma variedade grande deles. Hoje, vou falar aqui do primer facial Studio Perfect da Ruby Rose.

A descrição desse produto no site da RR é a seguinte:

“Com o Primer Facial 8086 da Ruby Rose, você terá uma maquiagem perfeita por mais tempo!  O Primer Facial tem um aspecto em gel que suaviza a pele e cobre todos os poros deixando a pele macia e aveludada!”

A embalagem é básica, mas cumpre o propósito de manter o produto preservado. As inscrições nela dizem: “Photo-loving primer. Definição perfeita. Suaviza as imperfeições 100%.”

 

Esse é um primer com textura bem siliconada. Em mim, ele não secou 100%. Senti que deu uma LEVE maciez pra pele, sem de fato disfarçar totalmente os poros. Testei de dia, de noite, em dias mais quentes e em dias mais frios. Não notei mudança nessas diferentes situações. Pra quem é alérgica ou se incomoda com cheiros fortes: ele não tem fragrância nenhuma.

Testei, primeiramente, com as bases fluídas da Quem Disse, Berenice? e da Vult. O resultado com elas foi bem satisfatório! Deu uma uniformizada no tom da pele, ajudou a base a ficar no lugar por um pouco mais de tempo e não craquelou. Pro dia a dia, esse é o resultado básico que eu espero de um primer. O que eu não curti muito: ele não rende tanto quanto vários outros primers que eu já testei. Preciso sempre pegar um pouco mais de produto do que estou acostumada pra conseguir cobrir o rosto todo.

Quando testei com bases mais secas, como a base da própria Ruby Rose e a de alta cobertura da Tracta, o negócio desandou total. Na hora de espalhar a base, mesmo eu indo com toda delicadeza do mundo, o primer começava a esfarelar e sair. A mesma coisa aconteceu quando eu o utilizei como primer para olhos; a sombra esfarelou totalmente. Fiz umas fotos na mão pra mostrar:

 

Na imagem abaixo, no lado esquerdo estou sem primer e no direito com; quase não há diferença.

 

O rendimento e o efeito dele foram bem abaixo do que eu esperava. Não fez mal a minha pele e se deu bem com os produtos que eu uso diariamente, então continuarei usando até acabar. No site da marca, o primer facial Studio Perfect custa R$16,90 (embalagem com 25ml). É um preço amigável, mas não acho um bom investimento. Apesar de não conhecer outros primers bons com esse mesmo preço, acredito que vale mais a pena juntar mais um pouquinho de dinheiro e adquirir um produto mais eficiente.

Por hoje é só!

xoxo

Três comédias adolescentes de 2018

Sendo uma pessoa mega hiper ansiosa, insônia e bads fazem parte da minha vida com mais frequência do que eu gostaria. Nessas horas, AMO ver comédias românticas bobinhas, aqueles feel good movies, sabe? Ajuda a me acalmar e pensar que existe sim umas coisas legais pelo mundo.

Trago aqui uma lista com os três últimos filmes fofinhos que eu assisti.

  • Com amor, Simon (Love, Simon – 2018): 

Sim, é um drama/comédia adolescente, com temática adolescente e com personagens adolescentes. Mas sai do padrão heteronormativo que a gente tá acostumado a ver! O filme conta a história de Simon, um garoto gay de 17 anos que ainda não se assumiu e só quer curtir o último ano do ensino médio com os amigos. Simon começa a trocar e-mails com um outro rapaz gay de sua escola, também não assumido. Sem identificarem um ao outro, os dois conseguem papear e compartilhar seus sentimentos sem medo da exposição. O desenrolar da história é super fofo de acompanhar, e a família de Simon é um caso a parte! <3 Ah, é baseado no livro “Simon vs a agenda homo sapiens” e a trilha sonora é ótima!

 

  • A Barraca do Beijo (The Kissing Booth – 2018):

O Buzzfeed deve ter feito uns dez artigos sobre esse filme. Estreou na Netflix em maio e teve gente que amou, teve gente que odiou. Não é uma obra prima do cinema contemporâneo, mas é divertido; uma ótima maneira de passar o tempo e se distrair. De quebra, tem eye candy: Jacob Elordy faz um bem pra vista, sim.  Também foi baseado em um livro, escrito por uma garota de quinze anos. É a história da amizade de Elle e Lee, que pode ser abalada pelo crush que a menina tem em Noah, galã e irmão mais velho de Lee.

 

  • Alex Strangelove (2018):

Esse filme soma um clichê atrás do outro, mas continua sendo gostoso de assistir, além de ser uma outra produção com protagonista LGBT. Alex está no último ano de escola e namora sua melhor amiga, Claire (e a química entre os dois é ótima); até que aparece Elliot e confunde todos os sentimentos do garoto. É tudo muito previsível, mas a história de Alex tem um quê de contos de fadas que conquista e faz seu papel de entreter.

Os três filmes também têm uma trilha sonora muito legal, que só contribui pra sensação de feel good movie. Vale a pena conferir os soundtracks e os filminhos!

 

xoxo

 

Creme vegano e cruelty free com D PANTENOL

Já falei aqui sobre alguns cremes e pomadas que uso quando minha pele está sensibilizada ou ressecada. A pomada Bepantol é antiga conhecida minha e a Bepantriz estava sendo uma das minhas favoritas recentes. Fiz post sobre essas duas pomadas ano passado. Para acessar e ler, basta clicar aqui.

As duas têm o pantenol como o principal princípio ativo; o pantenol (também conhecido como dexapantenol ou D pantenol) está presente em vários outros cosméticos e é um ativo famoso no cuidado e hidratação da pele. Sua ação se dá através da ativação do ácido pantotênico, substância essencial na capacidade do organismo de reparar a barreira da pele.

Na procura por mais alguma pomadinha com preço legal que ajudasse no ressecamento e cicatrização da minha pele, encontrei o Creme para Prevenção de Assaduras Needs Baby. A Needs é uma marca de saúde e beleza da farmácia Droga Raia e também pode ser encontrada em outras drogarias da mesma rede (comprei meu creme na Drogasil). A grande vantagem desse creme, em específico, é que ele é vegano e cruelty free (de acordo com selo da PETA). Como na Bepantol e na Bepantriz, o d pantenol também está presente nesse produtinho. As informações da marca dizem:

“O Creme Para Prevenção de Assaduras Needs Baby possui fórmula única, enriquecida com vitaminas E, óleo de Girassol e óleo de Amêndoas que proporcionam melhor hidratação e nutrição da pele do seu bebê, além de facilitar a aplicação e a remoção do produto. […] O Creme Para Prevenção de Assaduras Needs Baby diminui o contato da pele do bebê com as fezes e urina, pois também conta com óleo de Calêndula, Pantenol e Óxido de zinco que promovem ação anti-irritante, calmante e anti-inflamatória.”

 

Tenho usado o creme da Needs quase todos os dias à noite, pois tive uma reação alérgica a um esmalte e vários pontos do meu rosto estavam irritados, coçando, avermelhados e começando a descamar. No primeiro uso, já senti um alívio da irritação e da coceira.

Depois de lavar o rosto com meu sabonete para acne, passo água thermal ou tônico hidratante e espero um pouquinho para secar. Só então aplico o creme, apenas nas áreas afetadas. Como minha pele é muito oleosa e acneica, um produto pesado assim pode acabar sendo comedogênico (causador de espinhas). Além de usar nos pontos da alergia, costumo usar também abaixo dos olhos e um pouquinho na pálpebra.  A área em volta dos meus olhos já resseca facilmente, nessa época então… se eu não hidrato muito todo dia, vira um deserto do saara.

Gostei muito do poder de hidratação desse creme. Por não ser testado em animais, já decidi que o Creme para Prevenção de Assaduras Needs Baby vai ser o meu substituto da Bepantriz e da Bepantol. Paguei R$10,90 em uma bisnaga de 30g, que tem durado mais do que eu esperava. Consigo espalhar bastante usando uma quantidade bem pequena. Aprovadíssimo!

xoxo

Base vegana e cruelty free: Dalla Makeup ATUALIZADO COM INFORMAÇÕES CONTRA A MARCA

Vou editar essa resenha com um trecho de um post que explica por que a Dalla Makeup não deve ser utilizada por quem busca cosméticos veganos ou cruelty free. (Para ler o post na íntegra, basta clicar aqui.)

Depois de comprar base, pó, top coat, sombra líquida e mais mil coisas da Dalla Makeup, me deparei com alguns artigos na internet sobre a marca. Especialmente, sobre a marca se recusar a prover informações sobre a origem e fabricação de seus produtos.

A Dalla Makeup faz publicidade afirmando ser cruelty free e que sua base é vegana. Mas já chegou a ameaçar de processo consumidores veganos que questionaram algumas respostas da marca. Li sobre isso pela primeira vez mês passado, no blog da Ari Vegan (www.arivegan.com).

“A Dalla Makeup não me respondeu se realizam testes em animais ou não (ou se terceirizam os testes, ou se os fornecedores testam), não me responderam se os ingredientes eram de origem vegetal, sintética ou animal, E NÃO TEM NADA NO RÓTULO como mostrado nos prints, diferente do que a marca diz.

A marca me bloqueou em seu Instagram, e apagou DEZENAS de comentários de veganos, e bloqueou outros veganos buscando informações em sua fanpage no Facebook. 

E para finalizar, a dona (??) da marca ameaçou me PROCESSAR por atacar a marca. Alguém me responde: Desde quando exercer seus direitos como CONSUMIDOR é atacar? Desde quando buscar informações sobre um produto e não obter resposta é atacar?”

Esse trecho é de um post super explicativo, munido de fontes e prints. Pra acessar, clica aqui.

Link do post daqui do blog completo: https://cheiadevicios.com/2018/07/17/a-dalla-makeup-e-vegana-a-dalla-makeup-e-cruelty-free

Uma base vegana, não testada em animais, nacional e barata; além disso, ainda promete ser de alta cobertura, oil free e matte. Esse combo de características me deixou super curiosa pra testar a base desde que eu a vi no instagram pela primeira vez (instagram é onde eu fico a maior parte do tempo, então me segue lá! @blogcheiadevicios). Recebi a minha na quarta, e tenho usado direto desde então. Tenho muita coisa pra falar sobre essa base, já que a ansiedade pra experimentar tava grande.

Por enquanto, a Dalla Makeup só fabrica seis tons para essa base (do 01 ao 06, do mais claro pra o mais escuro). Tô muito na esperança que, a medida que ela ganha espaço no mercado, a marca se atente pra criar mais cores. Minha cor é a 01, a mais clara.

A embalagem vem com 30g de produto e é uma fofura. As florzinhas e as cores verde e rosa me passaram muito uma vibe “natureza”, “natural”. Amei que o corpo da bisnaga tem uma parte transparente, onde você consegue ver a cor da base sem nenhuma dificuldade. Outro ponto que amei foi a fragrância: é um cheirinho agradável, não muito forte, diferente do aroma de qualquer outra base que já experimentei.

A consistência é cremosa; não é líquida demais nem espessa demais. Mesmo com uma consistência legal, não achei a base fácil de espalhar. Tentei com uma esponjinha (da luisance, que veio em um kit de contorno e iluminador), com pincel de base de topo reto, com pincel língua de gato e com as mãos. Com as mãos foi a forma mais fácil de espalhar uniformemente. Senti que aplicar com a mão (ou pincel) e dar um acabamento leve com a esponja foi o que mais deu certo.

Quanto a cobertura, não achei que cumpriu a promessa de cobrir muito. Não a considero alta cobertura. Diria que é média. Não consegui construir camadas de forma legal, então não aconselharia tentar fazer um rebocão. Pelo menos na minha pele, com acne e mega hiper oleosa, foi essa a impressão. Gostei mais dela sendo média cobertura mesmo. A sensação da base no rosto é super confortável, ideal pra quem precisa de um pouco mais de cobertura, mas não gosta daquela make pesada no dia a dia.

Assim que apliquei, adorei o resultado. Minha pele ficou mais uniformizada, sem as espinhas aparecendo e com um toque macio. Também rolou um glow natural, do jeito que eu mais curto: com cara de pele saudável e I woke up like this. Usei pela primeira vez em pouca quantidade e sem preparar ou selar a pele. Estava usando só a base mesmo, porque queria ver bem como ela iria ficar com o passar das horas. As próximas vezes, selei com pó translúcido. Curti também o resultado, mas acho que, pra quem tem pele seca, pode ficar meio seco demais.

Aí vem onde a base da Dalla Makeup decepciona: a duração dela não foi boa em mim. Como eu uso óculos, é comum que bases mais leves saiam com facilidade na ponte do nariz (pelo suor, oleosidade e atrito do óculos), mas essa base saiu aos montes e muito rápido. Em umas três horas, já não tinha mais produto no nariz. A lateral do nariz, logo abaixo do olho e a pálpebra também ficaram sem produto. Vale um adendo que essas são as áreas do meu rosto que mais são oleosas. Vou colocar aqui uma foto que dá pra ver exatamente onde rolou esse desgaste. Ao vivo, não dá pra ver tão fácil as áreas sem base. Só a ponte do nariz que fica um pouco mais gritante. Em foto, porém, achei que ficou visível pra caramba.

No geral, achei a base da Dalla Makeup com um custo-benefício muito justo. Na Maquiadoro, onde eu comprei a minha, ela é vendida por R$15,90. No Atacadão das Maquiagens, o preço é um pouco menor (R$12,90), mas o frete pra cá ficava mais caro. É uma base que com certeza eu compraria novamente. Meu consumo maior de base é exatamente no dia a dia, e eu sempre prefiro produtos que não deixem uma sensação pesada na pele. Se ela não tivesse saído no nariz, seria minha base preferida entre as que já usei!

Quem já usou, me conta o que vocês acharam!

xoxo